O Sofrimento do Passageiro

Este tópico contém 41 respostas, possui 26 vozes e foi atualizado pela última vez por  sonia maria nogueira 4 anos, 1 mês atrás.

  • Autor
    Posts
  • #890
     Sillas Soares Xavier 
    Participante

    “Agora que estou sofrendo como Passageiro, estou sendo vítima do quê? Sobre o que eu não estou agindo que está fazendo algo agir sobre mim?”
    .
    Bom, a sensação de sofrimento veio coincidentemente durante a prática de quebrar o piloto automático, na qual escolhi uma atividade simples, corriqueira e automática para muita gente: assistir à novela. Iniciei o aquecimento com o jornal nacional que foi até interessante já que as notícias trágicas deram lugar aos gols da Copa do Mundo.
    .
    Era uma sexta-feira, dia em que normalmente as pessoas saem de casa. Fiquei com um sentimento de tristeza porque senti o impacto da solidão (que geralmente eu adoro), vindo à tona as minhas dificuldades na área de relacionamentos. O clima familiar exposto na novela (eu praticamente não convivo com meus parentes) também me fez lembrar que não vivencio momentos de confraternizações em família, como Natal por exemplo.
    .
    Estou sendo vítima do quê? De mim mesmo. Para eu mudar essa situação é simples, basta eu sair de casa, conhecer novas pessoas e me esforçar nesse sentido, que o reforço será recompensado. Mas sinto que estou muito ocupado com o restante das minhas metas que não me sobra tempo para dedicar-me a essa área. Fico com peso na consciência de não imergir o suficiente no que julgo ser mais importante agora (passar num concurso). Na minha rotina preciso dar conta do trabalho, estudos, pós-graduação, treinos, atividades domésticas, etc. Sinto que não sobra horário para dedicar-me à mudança dessa situação e confesso que também há um certo receio de me frustrar ao não ser bem sucedido como sou em outras áreas. Outros problemas que enfrento:
    1) sempre que encontro com um amigo, sou convidado para “tomar uma”. Eu não vou ser o chato e falar que não bebo, mas fica aquela situação. Já que eu parei de beber, então não faz sentido mais pra mim sair pra tomar uma. Quando tem mais de duas pessoas é tranquilo, mas as vezes dependendo vou sair apenas com um amigo, e é chato deixar o cara bebendo sozinho, rs.
    2) O convívio social ocorre geralmente a noite e eu gosto de dormir cedo, para acordar cedo e ter mais um dia ideal. Mais uma desculpa que arrumo para mim mesmo.
    .
    Os caminhos possíveis daqui pra frente, que ainda não sei qual deles seguir.
    a) Tentar continuar na imersão negligenciando totalmente essa área e deixar isso pra depois; ou
    b) Tentar encaixar alguns estudos e ações para melhorar essa área.

    #969
     João Dionyso Aché 
    Participante

    Sillas Soares, sobre isso de sair a noite… eu posso estar errado, se alguém tiver mais informação sobre isso, me ajude, por favor! Mas a minha experiência é que se você dorme todo dia no mesmo horário, cedo, no dia que você furar, vai acordar naturalmente cedo no dia seguinte… porque você já terá internalizado aquele horário no teu ritmo interno… você precisaria furar algumas vezes seguidas para quebrar o ritmo. Então acho que dá pra você encaixar algum programa a noite pra socializar, uma vez por semana sem comprometer o teu ritmo.

    Abraços

    #971
     Andre Lira Francisco 
    Participante

    O sentimento de “sofrimento” é quase ininterrupto. Basta parar pra observar minha vida. Venho fazendo acompanhamento com analista há pouco mais de um ano, e recentemente fiz uma constatação de que não vejo absolutamente nenhuma graça em estar vivo, pois nada me traz alegria, nem mesmo os meus sonhos, como a música.

    Sei que sou vítima de mim mesmo, da minha preguiça, da procrastinação, da falta de vontade de interagir com as pessoas (ao mesmo tempo em que sinto falta de ter amigos pra conversar), etc. Não vou fazer nenhuma besteira pois não adianta e seria um fardo/trauma muito grande a deixar pra minha família, mas enfim… Me inscrevi nesse curso justamente pra tentar botar ordem em alguma coisa, estabelecer um rumo e buscar significado pra fazer algo de útil e bom pra mim mesmo e pras pessoas ao meu redor. Já perdi tempo demais atrasando minha vida acadêmica (acabei de me graduar, aos 33 anos), e quero sair do país pra nunca mais voltar. Estou atolado em dívidas, que só devo terminar de pagar em uns 5 anos, mas vou tentar vender tudo que tenho pra poder me livrar logo de tudo e poder mais rapidamente tentar o processo de imigração pro Canadá.

    #1016
     Felipe Landim Dal Bosco 
    Participante

    Bom Sillas, não sei se contar o meu caso ajuda, mas eu não bebo desde 2010 e sempre que eu saio eu deixo isso bem claro pros amigos. No começo (e até depois, em certos momentos) tem uma insistência (ah, só essa vez / só uma / pouquinho não faz mal / etc), mas passado algum tempo a tendência é todos se acostumarem com essa sua identidade e lembrarem automaticamente que você não bebe. Não sei o seu caso, mas eu sou bem “nem aí” pra situações chatas desse tipo (Sério. Se o cara não entender, eu é que não vou me adaptar e beber). No fim, isso acaba até sendo um ponto positivo seu (ah, o cara geração saúde – tom cômico aqui – , o cara saudável, etc).

    OUTRA:
    O quão noite ocorre esse convívio social e o quão cedo você acorda?
    Particularmente eu acho a coisa mais normal do mundo uma ou duas vezes na semana ir dormir 00h pra acordar 05h. Provavelmente não vai ser aqueeeeeeeeela disposição na hora de levantar, mas acho melhor abrir mão disso do que de sair.

    É isso.

    PS: As respostas tão mó completas e aprofundadas aqui ahahaha. No meu exercício eu coloquei algo pessoal que não me sinto confortável de compartilhar, mas que ficou me parecendo mega bobo depois de ler esse tópico ahahah.

    #1033
     Conceição de Queiroz 
    Participante

    Bom mesmo é provar um pouco de cada. Dá pra sair, estudar, correr, comer saudável, alimentar as amizades, ter convívio familiar.
    A receita está sendo dada aqui, na academia.Vai testando!
    O maior especialista em você é tu mesmo!
    Vai aos poucos, mas vai!
    Num deu certo desta vez!? Tenta de novo! Seja bonzinho com vc! Perdõ-se! Te dê outra chance!

    #1034
     Gustavo Augusto 
    Participante

    Agora que estou sofrendo como passageiro estou sendo vítima de uma ansiedade muito grande, conheci uma pessoa que me fez me enfrentar dentro de mim mesmo, sinto que estou apaixonado por essa pessoa e ao mesmo tempo perdi o controle das minhas emoções, não estou agindo sobre elas, e por isso a ansiedade age sobre mim e interfere na nossa relação.

    #1035
     Rafael Cardoso 
    Participante

    Well,

    Felipe, eu tive o mesmo sentimento de “vergonha” que você. Como dizer do meu sofrimento a pessoas tão inteligentes e em busca do sucesso? Mas estamos no mesmo barco, e todos nós sofremos de alguma forma por sermos passageiros. Eu tenho problema com álcool, não sou daqueles alcoólatras que fazem fiasco, mas bebo todos os dias e isso me incomoda. Quero PARAR e não diminuir o uso, mas encontro muita dificuldade. Eu tenho dificuldade em TODAS as áreas: como o Sillas, também tenho problema de relacionamentos e me sinto sozinho. Nos jogos da seleção,eu vejo pessoas assistindo aos jogos juntos e torcendo, enquanto fico sozinho em meu apartamento. Essa é a área mais importante que preciso modificar, mas terei que esperar a chegada do painel.

    André Lira, também tenho problemas emocionais e acredito que isso se deva ao fato de eu saber de meu potencial mas ser vítima de minha procrastinação. Me sinto perdido e não sei para onde ir. A única coisa que tenho certeza é de que não sou burro, tenho uma inteligência que me permitiu terminar uma gradução e pós em universidade federal, e também ser aprovado em concurso público. Mas isso não me trouxe felicidade. O salário de técnico de universidade, de R$ 3.000 líquidos é pouco pra mim. Quero ganhar mais, pois sinto que às vezes tenho um sentimento de inferioridade devido ao fato de eu ter alguns “amigos” que estão muito bem sucedidos financeiramente, inclusive na minha família, meus irmãos todos ganham mais que eu. Estou atolado em dívidas também. Acho que isso ocorre devido à minna instabilidade emocional. Para diminuir a sensação de tristeza e insatisfação com a vida, eu compro roupas que muitas vezes não uso depois. Estou sempre doando roupas. Comprei um playstastion 3 há algumas semanas. SAbe quantas vezes joguei? UMA vez. Já estou pensando em vendê-lo, pois joguei 800 reais fora com a compra. Talvez isso se deva ao fato de eu não ter com quem jogar. Não vejo graça em jogar videogame sozinho.
    AChei ótimas essas reflexões aqui, vou entrar mais no fórum a partir de agora. Quero muito aproveitar esse curso para me tornar piloto, mas sinto que, se eu não me mexer, será mais um investimento que não valerá a pena.

    #1036
     Rafael Cardoso 
    Participante

    André Lira, me identifiquei muito com o que disse: Não ter vontade de interagir mas sentir falta de ter amigos. Contraditório, não? Talvez a gente não interaja com medo de que essas pessoas vão nos conhecer e nos julgar por não sermos felizes, por não sermos “normais”, etc. Eu moro em um bairro nobre de Porto Alegre, mas o meu apartamento é uma kitnet, pois o aluguel aqui no Bom Fim é caro. Então eu evito trazer alguém que tenha mais dinheiro que eu aqui. Esses tempos conheci um médico e vi que boicotei a relação porque me senti inferior. O cara morava numa mansão. Saco isso!!!!

    #1037
     Rafaela Piacentini 
    Participante

    Sillas, eu também não bebo, assuma isso, que vc não bebe, e pronto! Quem é seu amigo de verdade, não vai deixar de sair com vc por este motivo. Admito que isso pode atrapalhar um pouco as coisas, para mim é difícil também, os amigos ficam incomodando, te acham chato, zoam. Eu tenho uma dieta bastante restrita também, quando saímos, minhas amigas falam: Rafa, vai comer alface? Essa parte eu já superei e dou risada.
    Sair e conhecer pessoas também não é fácil, tenho grande dificuldade com isso. Mas olhe, eu sai de um estado em que tinha somente uma amiga, não saia de casa para nada, ela que vinha me ver, eu me escondida de tudo e de todos, não me dava bem com minha família e nem com colegas de trabalho. Hoje me dou bem com as pessoas no trabalho, melhorei muito o convívio familiar, e tenho até um grupo de amigos, e aquela amiga que eu tinha, “eliminei” da minha vida, pois era algo que me fazia muito mal. É só vc começar, e querer melhorar, buscar ajuda se for preciso (eu fiz terapia com psicóloga, e ainda faço) que as coisas vão dar certo. Abraço!!

    #1038
     Rafaela Piacentini 
    Participante

    Mais um comentário Sillas, desculpa se estou me intrometendo demais, mas o que mais vai te ajudar nisso, é agir!! Não importa por onde vc começe, mas saia, saia de casa mesmo que vc não queira, imponha-se isso, que com o tempo vai se tornar natural. 🙂

    #1071
     ANA KARINA MILHOMEM 
    Participante

    Há duas vertentes que gostaria de analisar aqui. Uma que demonstra o meu lado Passageiro e outra o lado Piloto!
    Engraçado fazer essa aula neste exato momento, dia 26/06/2014 as 17:37h.
    EU-Passageira: Acabei de ler todo o texto após receber uma negativa. Eu sou uma pessoa que detesta ser rejeitada em qualquer aspecto. A palavra não é bem rejeição, talvez seja contrariada. Acho que sou mimada.
    Mas a questão é, gosto muito de uma pessoa (como amigo) que vive me esnobando… E sou uma super amiga, disponível, parceira e tal. E quando não há reciprocidade, fico super triste.
    Ao ler a parte: “Desta forma, sempre que você se pegar triste ou em situação de sofrimento, simplesmente pare, lembre-se de Espinoza e se pergunte: “Agora que estou sofrendo como Passageiro, estou sendo vítima do quê? Sobre o que eu não estou agindo que está fazendo algo agir sobre mim?” Fiquei refletindo exatamente sobre isso. Por que sofre quando sou contrariada ou não me dão a atenção que desejo? Por que me coloco de vítima e ajo como passageira neste momento? Como devo agir?
    Então, me reportei ao texto que nosso colega Lucas Dantas disponibilizou na aula “O relacionamento com a tripulação” (http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=863) que fala exatamente sobre as expectativas que geramos em relação aos outros. Doeu-me ler uma frase muito forte e verdadeira: “Ninguém deve nada a você”. Nossa, isso retumba na minha cabeça até agora. É a pura verdade, mas não assimilei bem essa informação. Eu ainda não a internalizei.
    Então, respondendo a questão de Espinoza, estou sendo vítima de quê? Na realidade de quem? De mim mesma. Pois no momento que eu aceitar verdadeiramente que não devo criar expectativas e que Ninguém deve nada a mim, eu me libertarei de todo esse sofrimento da rejeição.
    Mas ainda não sei como romper esse comportamento de passageira vítima e carente de atenção.

    Segunda Vertente- EU-Piloto:
    Eu uso efetivamente a frase que André Valongueiro postou: “Pretextos. – Nunca te faltarão para deixares de cumprir os teus deveres. Que fartura de razões… sem razão!
    Não pares a considerá-las. – Repele-as e cumpre a tua obrigação.” (Josemaria Escrivá)
    Digitei num papel com letras garrafais e colei na parede do meu quarto. Acordo e já leio para não tentar me sabotar.
    Ao realizar a prática de quebrar o piloto automático, percebi que não houve qualquer sofrimento. Eu encarnei mesmo o PAPEL DE PILOTO e agi.
    Acordo, vejo o cartaz e faço o que me propus: acordar as 6H e ainda ir para Academia (que não estava no desafio).
    Não me permito a diálogos interiores que possam me fazer sucumbir a preguiça….

    Olha que interessante. Eu aprendi isso tudo com vocês no Fórum e aulas….QUE SINERGIA FANTÁSTICA!

    #1139
     Fabio Dametto Pedrosa 
    Participante

    Agora que estou sofrendo como Passageiro, estou sendo vítima do quê?

    Vítima da procrastinação e da falta de foco que não me deixou produzir para devolver á minha empresa o benefício do meu pagamento fazendo com que mais um dia do crescimento dela fosse desperdiçado

    Sobre o que eu não estou agindo que está fazendo algo agir sobre mim?

    Não estou agindo contra a preguiça, falta de concentração, sono, falta de vontade, indisposição.

    ——–
    Se a academia me ajudar (e eu sei que vai) a eu vencer essa procrastinação, já valeu fazer a academia!!! Abraços meus amigos!!!

    #1145
     Gustavo Augusto 
    Participante

    Olá Querido!

    Eu também estava assim nessas ultimas semanas mas eu tentei fazer o exercício para identifica os gatilhos e obtive bom resultados. Eu percebi que tentar eliminar um hábito ruim agravava os outros. Então baseado nas minhas experiências o que eu posso te sugerir, é que você escreva o que está sentindo no papel nem que for pra queimar depois, é só pra você liberar essa angústia e organizar as ideias, desabafe, conte seus desejos e anseios, procure identificar os gatilhos, (essa é uma ótima fase pra esse experimento) e depois talvez como eu você chegará à conclusão que a ansiedade e o desgosto é mero reflexo das coisas que se acumulam, tente pelo menos começar, se não consegue se manter focado, divida o tempo em blocos de 25 minutos e pause por 5 (técnica do pomodoro). Respirar fundo por um breve intervalo de tempo pode ajudar a você sentir-se melhor também. Tenho certeza que assim que se certificar que a sensação de ter cumprido as tarefas é bem melhor que a sensação de ter protelado por alguns preciosos minutos será uma ótima motivação emocional pra você restabelecer seu foco!

    Abraço!

    #1150
     ROGERIO DE SOUSA GUALBERTO 
    Participante

    “Agora que estou sofrendo como Passageiro, estou sendo vítima do quê? Sobre o que eu não estou agindo que está fazendo algo agir sobre mim?”
    Fiz esse exercício na prática, pois tentando resolver um problema que estava me afetando muito, tirando o sono, ansioso o dia inteiro, fiz o seguinte: fui direto aonde resolver o problema e perguntei o que poderia fazer, sem culpar a ninguém, sem cobrar que quem fez os erros consertasse, e sim como eu poderia resolver tudo já que estava me afetando de forma negativa. A resposta veio e o esforço está sendo muito menor do que eu pensava, mesmo tendo que assumir responsabiliades que teoricamente não eram minhas. Espero só não perder o fôlego como já aconteceu diversas vezes em outras situações.

    #1151
     Fabio Dametto Pedrosa 
    Participante

    Fala Gustavo Obrigado pelas dicas, hoje eu acordei determinado pensando “Velho, seu dia pode ser uma bosta ou você pode se sentir o cara no final do dia… tudo vai depender se você vai ficar enrolando ou trabalhando” , ou seja, saí do modo passageiro para o modo piloto e até agora estou arrebentando aqui, estou feliz com os resultados!!

    Rogerio Estamos por aqui, caso seu fôlego tiver chegando ao fim nos avise aqui mano !

    Abraços!!

Visualizando 15 posts - 1 até 15 (de 41 do total)

Você deve fazer login para responder a este tópico.

Academia de Pilotos Mude.nu

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?